O que é mercado livre de energia: saiba como funciona

A conta mais salgada do bolso do trabalhador brasileiro, sem dúvida é a conta de luz. Por mais que tenhamos que sofrer também com os gastos do mercado ou a conta de água, nenhuma pois de tantos sustos quanto a conta de luz.

As muitas tarifas que pagamos garante que todos os meses quando abrir a conta do mês anterior, tenhamos um novo susto.

Essa alta gigantesca nos preços inclusive é uma das grandes responsáveis pela inflação que vivemos. E muito desse caos tem a ver com o fato de usarmos quase que exclusivamente energia hidroelétrica.

Isso significa que precisamos de água, mais precisamente de chuva, e quando não temos, precisamos lidar com meios alternativos de produzir energia elétrica como as usinas termelétricas.

Elas são mais poluentes, mas o problema maior é que são mais caras, consequentemente a energia produzida é vendida mais cara, e esse preço é cobrado do consumidor final através das bandeiras tarifárias.

As empresas, por outro lado, acabam conseguindo fugir dessa situação e não estão presas às cobranças tarifárias comuns, isso porque elas podem usufruir do mercado livre de energia.

É muito provável que você não saiba do que se trata, isso porque esse é um assunto muito mais recorrente no mundo corporativista, já que as pessoas físicas não têm acesso a isso.

Mas o mercado livre de energia é o grande motivo do porquê empresas conseguem pagar quase metade do valor em dia do que o consumidor normal na média.

E se você ficou curioso para entender isso, hoje nós vamos explicar certinho para você como funciona o mercado livre de energia, e como as empresas conseguem economizar dinheiro comprando energia particular.

O que é mercado livre de energia?

A ideia é bem simples, uma empresa vai acabar consumindo muita energia, principalmente dependendo do seu ramo de negócios. Às vezes há muitas máquinas ligadas, às vezes são necessárias muitas luzes.

Os motivos são muitos, mas o ponto é que sabendo disso, existem empresas que produzem energia elétrica, e oferecem um negócio mais cômodo para esses negócios que consomem muita energia.

Muitas empresas consultam consultores como a Monex Energia que fazem o trabalho de encontrar os melhores acordos e fazer os melhores acordos.

Mas não é só o fato de uma empresa comprar energia de outro fornecedor que não o governo que faz com que os preços sejam menores, existem uma série de fatores.

O primeiro de tudo é que como já dissemos, o que encarece a conta de luz tradicional é o valor das tarifas. Essas tarifas são cobradas a partir do momento em que gastamos mais do que um tanto pré-definido de energia, acima daquele teto, é aplicada a tarifa.

A partir do momento em que uma empresa não compra do governo, essa tarifa automaticamente desaparece. Mas mais do que isso, os acordos com fornecedores particulares permitem coisas mais específicas.

Como por exemplo escolher a quantidade de energia elétrica comprada, assim como é com um plano de internet. Assim aquela empresa só vai ter direito a X quantidade de energia por mês, e só vai pagar por aquilo.

Nesse modelo, a empresa paga um valor fixo, sem sustos no fim do mês. Outro ponto positivo é poder escolher o fornecedor que trabalha com tipo específico de energia.

Isto é, uma empresa pode comprar energia de um fornecedor que só trabalha com energia renovável, diminuindo assim o pacto no meio ambiente.

Vale lembrar também que energias poluentes podem ser mais caras, como a já citada energia termoelétrica, dessa forma a empresa paga menos do que pagaria para o governo.

Esse tipo de comércio é totalmente legal?

Esse comércio todo é regulamentado, fiscalizado e gerido pela CCEE, a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica.

Esse órgão sem fim lucrativo organiza todos os leilões de compras de energia particular, e também faz com que tudo aconteça de forma legal. Garantindo que os negócios sejam feitos de forma honesta, e ainda ajudando clientes e fornecedores na mediação dos negócios.

Isso faz com que todo comércio que exista na área do mercado livre de energia seja totalmente dentro da lei. Ou seja, sem produção e fornecimento de energia clandestinas, com os fornecedores sendo todas empresas regulamentadas que trabalham sob supervisão e permissão do governo.

Vale lembrar que esse tipo de comércio é apenas permitido para empresas e não para pessoas físicas. Embora resistam conversas para que isso chegue às pessoas, ainda não existe nem confirmação ou previsão de que isso deva acontecer em um futuro próximo.

Em resumo, o mercado livre de energia funciona de forma legal, e ajuda muito o mudo empresarial, que consegue pagar menos nas tarifas de energia elétrica, o que permite que as empresas se mantenham vivas.

E mais do que isso, permite que outras empresas, as fornecedoras de energia, possam ganhar também e fomentar ainda mais o mercado, dando cada vez mais opções de energia.

você pode gostar também

Este site usa cookies para melhorar sua experiência, você pode optar por não participar, se desejar. AceitarLeia mais