Impostos sobre vendas

Impostos sobre vendas – os 4 tipos que você precisa estar atento

Aprender sobre os cuidados para se ter com impostos sobre vendas é missão de todo empreendedor. Ainda mais no Brasil. Empresários mais experientes denominam o ambiente fiscal no país como insano. Além da quantidade de impostos sobre vendas, os custos são muito altos.

Nesse cenário, é muito importante que você faça a melhor gestão fiscal possível. Isso vai permitir que seu negócio possa atuar com tranquilidade. Por outro lado, atrasar o pagamento de impostos pode causar inúmeros prejuízos. Os juros são altos, e muitas vezes podem tornar essas cobranças impagáveis.

No Brasil, toda venda gera algum tributo. Não importa qual seja o produto ou seja o serviço. Por isso, nessas transações são enviadas notas fiscais. É por meio delas que o Estado brasileiro tem um panorama de quais impostos devem ser cobrados. 

Os tipos de impostos sobre vendas que você precisa estar atento

ICMS

O ICMS é o Imposto sobre Circulação De Mercadorias, e seus valores são definidos em cada estado da federação brasileira. Em resumo, o ICMS é tributado em todo produto ou serviço vendido por pessoas físicas ou pessoas jurídicas.

Se você atua com vendas online, por exemplo, é simples entender como esse imposto funciona. Imagine que você venda, no atacado, peças de roupas de sua loja virtual para um cliente no Rio de Janeiro, mas a sede de sua empresa é em São Paulo.

Nesse processo, ao vender de uma cidade para outra, você paga o chamado ICMS. Agora, se a pessoa no Rio vender esses produtos para o cliente final, novamente o ICMS será pago. Com isso, é possível afirmar que esse imposto está presente em todas as movimentações comerciais.

COFINS

A sigla desse imposto significa “Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social”. O seu cálculo tem um método diferenciado, baseado no faturamento bruto das empresas. Quando criado, em 1991, o seu objetivo era arrecadar recursos para investimentos em previdência social, saúde e diferentes iniciativas de assistência social. 

O COFINS também possui outras particularidades. Ele é sempre recolhido com o PIS. Q que leva a muitos empresários a pensarem que se trata de um único imposto. Apesar de existir uma cobrança única, o valor final é a soma desses dois impostos. Na verdade, a parcela proveniente do PIS é reservada para programas de integração social do empregado.

Quem paga o COFINS são as pessoas jurídicas. Nesse caso, as pessoas físicas estão dispensadas desse tributo.  Entretanto, profissionais liberais que trabalham como microempreendedores individuais (MEI) estão livres de pagar esse imposto.

ISS

É preciso estar atento aos impostos sobre vendas como o ISS. Essa sigla significa Imposto Sobre Serviço de Qualquer Natureza. Ele tem uma abrangência bem ampla. O governo o recolhe em transações realizadas por profissionais autônomos, construção, transporte, entre outros serviços.

A depender da sua atuação empresarial, saiba que você pode ficar isento da cobrança do ISS.É comum que uma prefeitura, por exemplo, deixe uma série de empresas livres dessa cobrança. Afinal, com uma taxação menor, aumentam-se as oportunidades de negócios na cidade.

O ISS também não é cobrado em serviços de exportação. Mesmo assim, para que você não corra riscos, procure um contador profissional. Ele é a pessoa mais indicada para ajudá-lo em questões tributárias.

IPI

Se você tem uma pequena indústria, o IPI tem impacto direto em seu negócio. Afinal, ele é cobrado por todo item industrializado. 

  • Seja um caderno, 
  • Pequenos móveis
  • Até mesmo automóveis. 

Além disso, o Imposto sobre Produtos Industrializados é cobrado em produtos fabricados no Brasil e também no exterior. Quem cobra é o Governo Federal, e ele define o valor da taxa.

Anos atrás, a Presidente Dilma reduziu o IPI sobre a produção de carros. Com isso, os automóveis ficaram mais baratos e isso aumentou o consumo. Um movimento importante para a economia e a geração de empregos. Por outro lado, o governo pode alterar essa alíquota para diminuir o consumo de algum produto. 

Com o aumento do IPI sobre a fabricação de cigarros, o objetivo era aumentar o preço final do produto. Dessa forma, muitas pessoas começaram a cortar o cigarro do orçamento e, finalmente, diminuíram o consumo. Nesse caso, se as pessoas se tornam mais saudáveis e procuram menos o hospital, o governo consegue economizar com saúde pública.

Por isso, se você produz alguma mercadoria, acompanhe as alterações no IPI. A alteração na alíquota pode ter um impacto sobre o preço final dos seus produtos.

O que fazer com tantos impostos sobre vendas?

Vender mais. Essa é a única resposta possível para essa pergunta. Invista em marketing e em ferramentas que possam ajudá-lo a captar mais clientes, como o CRM. Por meio dele, além de você conhecer melhor o seu público-alvo, tem a oportunidade de buscar novos leads automaticamente. Basta realizar a integração do software com as suas redes sociais e aplicativos de mensagens.

Não entenda os impostos sobre vendas como uma ameaça. Eles fazem parte da vida de todo empresário. Por outro lado, ao investir em seu negócio e contar com profissionais que possam ajudá-lo, não há motivos para desistir do empreendedorismo.