Convênio odontológico, 7 critérios para avaliar ao contratar

Convênio odontológico é sinônimo de ter algum respaldo preventivo para situações de emergência e, ao mesmo tempo, assegurar cuidados regulares com a saúde bucal, garantindo dentes mais sadios, um sorriso bonito e prevenir doenças bucais.

Convênio odontológico

Além disso, o convenio odontologico empresarial se tornou uma prioridade para os colaboradores de empresas, pois hoje já há um maior reconhecimento das necessidades e das vantagens de usufruir desses serviços para o seu próprio bem-estar.

De acordo com dados da Agência Nacional de Saúde (ANS), em dezembro de 2020, mais de 27 milhões de pessoas no Brasil eram beneficiárias de algum serviço de plano odontologico.

Esse é o número recorde no país, representando mais de 12,5 milhões de pessoas em comparação a dez anos atrás.

Tal dado reforça o quanto a saúde bucal se tornou uma prioridade, assim como ocorre com a medicina de um modo geral.

Com isso, o número de colaboradores que enxergam o serviço odontológico como um dos melhores benefícios também vem crescendo e as empresas vêm notando isso, identificando o impacto nos resultados obtidos, bem como a própria pessoa sente mais confiança e segurança em sua rotina.

Por esse motivo, ainda segundo dados da ANS, o número de pessoas que são beneficiárias do plano dental coletivo empresarial chegou a mais de 17 milhões.

Mas o que deve ser levado em consideração ao contratar algum plano? Quais são os critérios e serviços considerados essenciais para decidir ao contratar algum convênio odontológico?

A seguir serão colocados os principais fatores para decidir pela contratação do serviço ou não, bem como dicas que tornarão a escolha mais otimizada e correta para atender suas necessidades. Confira.

1- Registro


Ao avaliar determinada empresa que atua como operadora de serviços para convenio odontologico, é preciso checar se ela está registrada na ANS, órgão regulamentador responsável pelos planos de saúde e odontológicos que são oferecidos em todo o Brasil.

A ANS é vinculada ao Ministério da Saúde e é o órgão responsável por cadastrar todas as operadoras que desejam trabalhar com a odontologia, estabelecendo critérios para a oferta do plano e pacotes básicos de serviço para um bom atendimento aos pacientes.

Assim, a Agência regulamenta as atividades para que exista um controle do que é necessidade do cliente e a qualidade dos serviços oferecidos na clínica.

Por meio da regulamentação da ANS, os planos odontológicos precisam cobrir procedimentos básicos das odontologia e devem atender o paciente em situações de emergência, por exemplo, independentemente do tempo de carência.

Por isso, há a necessidade da empresa contratada estar regulamentada, sendo um fator essencial ao escolher a agência que oferecerá o plano.

2- Cobertura


A cobertura também é um dos pilares para a decisão de contratar determinado plano odontológico. Afinal, o dinheiro investido no serviço precisa ser justificado, bem como é preciso entender quais são os tratamentos oferecidos e cobertos por cada opção de plano.

De acordo com as normas reguladoras da ANS, todo convênio dental, seja plano odontologico para MEI, empresarial ou individual, deve cobrir:

  • Situações de emergência;
  • Restaurações e tratamento de cáries;
  • Aplicação de flúor;
  • Remoção de tártaro;
  • Profilaxia;
  • Tratamento de Canal;
  • Colagem de fragmentos;
  • Periodontia (tratamento e cirurgia da gengiva).

Já em planos mais complexos e premiuns pode haver a inclusão de procedimentos que demandam mais atenção, sejam mais invasivos ou mesmo estéticos, conforme a operadora escolhida.

3- Abrangência e dependentes


A abrangência é um fator de muita importância para se considerar no momento de contratar algum plano odontológico, principalmente para as empresas que desejam oferecer esse benefício a seus colaboradores.

Afinal, o sentido do benefício empresarial é complementar o salário para arcar com custos necessários, oferecendo serviços de qualidade e nas proximidades do percurso entre empresa e residência, por exemplo.

Além disso, provavelmente muitos colaboradores precisam arcar com os cuidados relacionados à saúde bucal de algum familiar, seja filho, cônjuge ou até mesmo os próprios pais.

Deste modo, é interessante que o plano odonto empresarial tenha a possibilidade de incluir dependentes, se tornando mais viável para a empresa e para o colaborador ao oferecer mais amplitude à cobertura (o que impacta na qualidade de vida e comprometimento, por exemplo).

4- Distância e regiões cobertas


Se a razão de contratar um plano odontológico é aproximar o paciente de cuidados da saúde bucal e tornar essa assistência e controle mais facilitado, como as consultas para a realização de procedimentos básicos, não faz sentido contratar o serviço de um lugar distante, principalmente em uma cidade grande como é o caso de São Paulo.

Assim, é preciso avaliar a abrangência territorial dos planos, como a disponibilidade de atendimento nacional ou mesmo em viagens, por exemplo.

5- Disponibilidade para outros serviços


Apesar dos planos odontológicos terem desde uma cobertura considerada básica para a saúde bucal até as mais completas que podem incluir os procedimentos mais complexos e estéticos, existem empresas que possibilitam uma negociação.

Com isso, pode ser verificado junto ao plano a inclusão de alguns tratamentos por um acréscimo na mensalidade paga.

Além disso, nada impede que os tratamentos sejam feitos em formato de atendimento particular. Nesses casos, pode ser possível solicitar o reembolso de parte do valor com a operadora, desde que os protocolos pedidos sejam respeitados.

6- Tempo de carência


Algumas operadoras determinam um prazo mínimo para começar a atender os procedimentos dos clientes, sendo que esse tempo conhecido como carência pode chegar até em 180 dias.

Com isso, algumas operadoras que oferecem o menor tempo de carência tendem a se destacar nesse quesito.

Lembrando, mais uma vez, que todas as empresas são obrigadas, por lei, a atender os clientes em situações emergenciais, mesmo que seja necessária alguma intervenção cirúrgica, não precisando cumprir a carência.

7- Custo


Uma das principais vantagens do plano odontológico é o baixo custo, tanto para os planos empresariais quanto os individuais.

Os preços podem ser bem diversos, considerando o formato de contratação, pacote escolhidos e até mesmo a operadora que oferece o serviço. Portanto, é preciso avaliar junto à operadora qual a faixa de preço e avaliar se o custo e os serviços atendem sua necessidade.

Ao avaliar esses critérios e outros benefícios que podem existir, como a rede credenciada própria e tecnologias usadas, será possível ter um bom convênio e atender as demandas de manutenção e beleza para uma saúde bucal completa.

Conteúdo originalmente desenvolvido pela equipe da Networkflow, especializada em materiais para network, empreendedorismo e dicas para a saúde e qualidade de vida.
Postagem Anterior Próxima Postagem