Efeitos da educação na sociedade, como a educação eleva a qualidade de vida 

Embora a educação seja conhecida por levar a melhores empregos e maior renda, há indícios que apresentam fortes ligações entre educação e longevidade, redução do risco de doenças e aumento da vitalidade e do rendimento escolar por gerações.

Embora o aumento dos custos da saúde tenha levado, as mudanças nas tendências demográficas e o aumento dos custos de saúde levaram a um aumento no custo da assistência médica.

Como você sabe, a educação influencia a saúde de muitas maneiras. Os universitários com graduação concluída, por exemplo, podem esperar viver pelo menos cinco anos a mais do que os indivíduos que não terminaram o ensino médio.

Vários estudos mostraram que indivíduos mais instruídos são menos propensos a ter – ou morrer de – algumas das doenças agudas ou crônicas mais comuns, tais como doenças cardíacas ou diabetes.

Aqueles com mais anos de educação são menos propensos a fumar e são mais propensos a ter menos excesso de peso.

Veja também: A importância dos cursos de idiomas além do inglês

Receitas e recursos

A economia do conhecimento atual exige mais instrução para ter um emprego e benefícios como seguro saúde, férias pagas e aposentadoria.

Por outro lado, pessoas com menos educação têm maior probabilidade de trabalhar em profissões de alto risco com poucos benefícios.

Melhor saúde

As famílias com maiores rendimentos podem comprar alimentos mais saudáveis, ter tempo para se exercitar regularmente e pagar pelos serviços de saúde e transporte de qualidade.

Além disso, a insegurança no emprego, os baixos salários e a falta de bens associados à menor educação podem tornar indivíduos e famílias mais vulneráveis durante tempos difíceis. 

Problemas como má nutrição, habitação instável e necessidades médicas não atendidas são, infelizmente, mais observadas.

Benefícios sociais e psicológicos

As pessoas com mais educação – e, portanto, com renda mais alta – são frequentemente poupadas das tensões insalubres que acompanham as dificuldades sociais e econômicas prolongadas.

Essas habilidades são importantes ao longo da vida e podem ser importantes para a saúde, tais como consciência, perseverança, senso de controle pessoal, flexibilidade, habilidades de negociação e a capacidade de formar relacionamentos e estabelecer redes sociais.

Além de estarem preparadas para empregos melhores, as pessoas com mais educação têm mais chance de aprender sobre comportamentos saudáveis. 

Pacientes educados podem ser mais capazes de compreender suas necessidades de saúde, seguir instruções e orientações médicas, defender a si mesmos e suas famílias e se comunicar efetivamente com os profissionais de saúde.

Bairros mais saudáveis

Baixa renda e menos recursos significam que pessoas com menos educação têm mais probabilidade de viver em bairros de baixa renda que carecem de recursos para uma boa saúde.

Estes bairros são muitas vezes marginalizados economicamente e segregados e têm mais fatores de risco para a saúde pobre, como:

Espaços ao ar livre que incentivam as pessoas a ter mais atividade física e a caminhar ou andar de bicicleta para o trabalho ou escola.

As áreas rurais e de baixa renda, mais povoadas por pessoas menos instruídas, frequentemente sofrem com a escassez de médicos e outros prestadores de cuidados de saúde e instalações.

Maiores taxas de criminalidade, expondo os residentes a maiores riscos de trauma e morte devido à violência e ao estresse de viver em bairros inseguros. Pessoas com menos educação, especialmente homens, são mais propensas a serem encarceradas, o que acarreta seus próprios riscos à saúde pública.

Menos escolas de alta qualidade, muitas vezes porque as escolas públicas têm poucos recursos devido aos baixos impostos da localização. Itens básicos como móveis para creches, boa instalação podem não ser encontrados. 

As escolas com poucos recursos têm maior dificuldade em oferecer salários atraentes aos professores ou em manter adequadamente os edifícios e suprimentos.

Conclusão

Existem múltiplas razões para estas associações, embora seja provável que estas diferenças de saúde sejam em parte o resultado de diferenças de comportamento entre os grupos de educação.

Em termos da relação entre educação, há também vários fatores de risco à saúde – fumo, bebida, alimentação, uso de drogas ilegais, segurança familiar, uso de assistência médica, preventivos, e cuidados para a hipertensão e diabetes.

Em geral, os resultados sugerem que os mais instruídos têm comportamentos mais saudáveis ao longo de praticamente todas as margens, embora alguns desses comportamentos possam também refletir o acesso diferenciado aos cuidados.

Em contrapartida, aqueles com mais anos de escolaridade são menos propensos a fumar, beber muito, ter excesso de peso ou ser obesos, ou usar drogas ilegais.

Efeitos da educação na sociedade